Blog do Dresch

9 de Maio de 2015

Polícia apreende 630 armas

                   De acordo com dados estatísticos da Secretaria da Defesa Social e Ressocialização, no primeiro trimestre deste ano foram apreendidas em Alagoas, 630 armas, 250 a mais que a apreensão registrada no mesmo período em 2014, quando as forças de segurança retiraram das ruas 380 armas. “A apreensão de armas é sinônimo de prevenção, de vidas poupadas” comemora o Secretário Alfredo Gaspar de Mendonça. Ele atribui o resultado ao esforço dos policiais que combatem a criminalidade nas ruas da capital e das cidades do interior.

A guerra das ruas 2

                   O Núcleo de Estatística e Análise Criminal (Neac), orgão da secretaria, revelou que nos três primeiros meses de 2015 foram apreendidos 375 revólveres, 138 espingardas, 100 pistolas, seis rifles, quatro outros armamentos, três armas artesanais, duas garruchas e duas carabinas, em um total de 630 armas retiradas de circulação. Já no primeiro trimestre de 2014, foram registradas as apreensões de 251 revólveres, 54 espingardas, 47 pistolas, um rifle, uma metralhadora e 26 outros tipos de armas de fogo, totalizando 380 armas a menos.

Uma nova sabatina

                   Na avaliação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) o texto final da chamada PEC da Bengala, prevê que os atuais ministros do Supremo Tribunal Federal e dos demais tribunais superiores, passem por uma nova sabatina no Senado, caso queiram permanecer no cargo até os 75 anos. A exigência da nova sabatina não aparece de forma explícita na emenda, mas notas taquigráficas do Senado Federal apontam que a menção ao artigo 52 da Constituição no texto final da proposta surgiu com esta intenção. O dispositivo constitucional estabelece como requisitos para nomeação ao STF a sabatina e a aprovação pelo Senado. “Conforme a emenda, os que desejarem continuar na magistratura deverão ser novamente sabatinados pelo Senado Federal, que não abrirá mão da sua prerrogativa de fazê-lo” afirmou Renan. A exigência de uma nova sabatina já provocou reações. O Ministro Marco Aurélio Mello, integrante do STF desde 1990, afirmou que não irá se submeter a uma “humilhação” neste sentido. “Fui surpreendido. Vivenciamos tempos muito estranhos no Brasil” criticou o ministro. “Não me submeteria a uma nova sabatina, depois de 26 anos de carreira jurídica, com o risco de ser humilhado no campo político” disse Mello. A Associação dos Magistrados Brasileiros também se posicionou contrária à exigência. Considera a ideia inconstitucional e se constitui em uma ameaça á independência do Judiciário, segundo o presidente João Ricardo Costa.

 

Uma nova estratégia

                   Os sete principais bancos com atuação no Brasil vão unificar os serviços de autoatendimento até o ano de 2020. Até lá todos os terminais de atendimento dos clientes, instalados fora das agências farão parte da Rede Banco24Horas, não existindo mais os terminais específicos de cada instituição bancária. Os bancos que fecharam o acordo (Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Bradesco, Citybank, HSBC, Itaú/Unibanco e Santander) garantem que o objetivo da unificação é melhorar o atendimento ao cliente. Mas a estratégia, na verdade, é reduzir os custos com a manutenção dos terminais e dividir as responsabilidades.

Descontrole no futebol

                   Duas consultorias especializadas em marketing esportivo e que analisaram os balanços financeiros dos 20 clubes com maior arrecadação no país, concluíram que a situação é cada vez pior e que o endividamento dos mesmos só tem crescido. Hoje os vinte principais clubes devem cerca de R$ 6,3 bilhões, segundo balanço fechado em 2014. Em 2010 esta mesma dívida era de R$ 3,2 bilhões. Apenas cinco destes clubes analisados se enquadrariam na espécie de lei de responsabilidade fiscal criada para o futebol brasileiro. E de todos, somente o Flamengo, conseguiu reduzir sua dívida e conseguiu gerar superávit no ano passado.

Descontrole no futebol 2

                   O estudo denominado “Finanças dos Clubes Brasileiros” foi apresentado esta semana ao Senado da República. Ele mostra a situação caótica dos clubes graças “à irresponsabilidade de gestões anteriores ao não recolher impostos, atrasar salários e não evitar dívidas trabalhistas, o que acabou gerando uma bola de neve”. Em 2014 os clubes amargaram um déficit somado de R$ 597,5 milhões, apesar dos bons resultados obtidos pelo Flamengo e pelo Atlético-PR, que juntos tiveram um superávit de R$ 107,5 milhões. O maior déficit de 2014 (R$ 174,8 milhões) foi do clube que tem também a maior dívida, o Botafogo, vice-campeão carioca que deve R$ 845,5 milhões.

Descontrole no futebol 3

                   Ainda de acordo com o estudo “o custo continua crescendo e a receita estagnou nos últimos anos. Como resultado os clubes fecharam 2014 com o maior déficit e o maior endividamento da história do futebol brasileiro”. Segundo os consultores, apenas Fluminense, Vasco da gama, Flamengo, Goiás e Atlético-PR se enquadrariam na medida provisória que limita os gastos do departamento de futebol em 70% da receita. Campeão da Copa do Brasil ano passado, o Atlético-MG tem o pior desempenho neste indicador: gastou com o futebol 106% do que arrecadou no ano. Corinthians e São Paulo vêm logo a seguir com índices próximos a 100%.

 

  • Tomou posse ontem (8) o novo superintendente da Polícia Rodoviária Federal em Alagoas, Remi Gomes de Alcântara, que assume as operações da instituição no estado a partir de agora.
  • Na véspera ele foi apresentado ao governador Renan Filho, pela diretora-geral da Polícia Rodoviária Federal no país, Maria Alice do Nascimento.
  • No encontro discutiu-se o fortalecimento das ações conjuntas, assim como o trabalho seja realizado de forma integrada, nas operações e nas ações, buscando sempre a otimização.
  • A Universidade Federal de Alagoas realiza a partir desta terça feira (11) o 6º Seminário Nacional do grupo de pesquisa Educação à Distância e Práticas Educativas, Comunicacionais e Interculturais (EDaPECI).
  • O Seminário acontecerá até quarta feira no Campus A.C. Simões e será voltado a professores e alunos de todos os níveis de ensino, além de gestores, coordenadores pedagógicos de instituições públicas e privadas.