Blog do Dresch

24 de Abril de 2015

Saúde e Segurança no Trabalho

                   Tendo como objetivo o reconhecimento das reportagens que trazem denúncias ou soluções a respeito das condições de trabalho em Alagoas, o Sindicato dos Jornalistas de Alagoas realiza amanhã (25) a solenidade de entrega do Prêmio Braskem de Jornalismo Saúde e Segurança no Trabalho. Segundo Flavio Peixoto, presidente do Sindicato, a premiação ás melhores reportagens é uma forma de ampliar o debate na sociedade e ao mesmo tempo valorizar o trabalho dos jornalistas. Houve um aumento de 42% no número de trabalhos inscritos nesta edição, em comparação a 2014, chegando a 77 contra 54 do ano passado. A quantidade de concorrentes também aumentou, passando de 40 para 54 jornalistas.

Prêmio de Jornalismo 2

                   O Prêmio é uma parceria entre o Sindicato dos Jornalistas e a Braskem, com o apoio do Ministério Público do Trabalho e da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego. Cinco jurados escolherão os melhores trabalhos, sendo três profissionais de fora do Estado (Marcela Rosseto, Georgina Maynart e Flávio de Oliveira Nunes) e as alagoanas Simoneide Araújo e Zélia Cavalcanti. A solenidade de entrega do prêmio acontece no Armazém Usina, em Jaraguá a partir das 21horas.

Prêmio de Jornalismo 3

                   As categorias com maior numero de trabalhos inscritos foram Webjornalismo e Impresso-Texto com 14 reportagens cada, seguida por Reportagem de TV (13), Estudante (11), Impresso-Imagem (9), Reportagem Cinematográfica (7), Radiojornalismo (4) e Assessoria de Imprensa (3). Estão inscritos profissionais de 15 veículos de comunicação de Alagoas. TV Gazeta (12 trabalhos), Gazeta de Alagoas (10), O Dia (9), TV Pajuçara (7), Gazetaweb (4), Tribuna Independente (3), Rádio Difusora (3), TNH 1 (3), G1 Alagoas (2), Tribuna Hoje (2), Extra (2), Agência Alagoas (2), TV Alagoas (1), Rádio Correio (1) e Cada Minuto (1).

Drogas em discussão

                   Um seminário que se propõe a discutir a questão das drogas nas Américas, que acontece no Rio de Janeiro, tem apresentado propostas interessantes sobre o assunto, ressaltando sempre que a criminalização das drogas estimula o tráfico e as estruturas corruptas. Para o presidente da Comissão Consultiva para a Politica de Drogas da Colômbia, Daniel Mejía, é importante que os países assumam a função de regular o mercado das drogas, tirando dos traficantes o controle sobre a atividade. Segundo ele “o mercado é regulado pelos criminosos. O Governo se recusa a reivindicar seu poder de regular, e com isso há poucas pessoas que ganham muito dinheiro com isso e muitas pessoas que são prejudicadas” afirmou. Nesse mesmo seminário, promovido pela organização Open Society Foundations, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso concordou com a posição da autoridade colombiana sobre o tráfico. Para ele a ausência da regulação pelo Estado deixa os usuários nas mãos do tráfico. “No Brasil, o acesso à droga é livre na mão do traficante e as pessoas ficam nas mãos do traficante. O Estado não pode deixar isso acontecer”. Para o ex-presidente a “guerra às drogas” promovida pelos governos federal e estaduais escolheu o inimigo errado. “Estamos combatendo fantasmas quando o verdadeiro inimigo é a falta de informação. É preciso reduzir o uso, reduzir a demanda nas com campanhas educativas” disse FHC. Ele defende que seja ampliado o debate junto á sociedade, “É preciso mudar a cultura e depois mudar a lei” argumentou o ex-presidente.

 

Laudos equivocados

                   Inacreditável. O FBI e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos cometeram erros em análises científicas, que serviram como provas para diversas condenações, algumas de pena de morte de prisioneiros entre 1989 e 2000. A agência de investigação americana se comprometeu a reavaliar 2.500 casos nos quais os laudos laboratoriais podem ter favorecido os argumentos dos promotores nas acusações. Quase todos os especialistas da unidade forense de elite do FBI – 26 de 28 – deram pareceres equivocados, que podem ter levado a condenações injustas, segundo constatação da maior revisão de condenações já realizadas nos EUA.

Laudos equivocados 2

                   Até agora 342 revisões foram finalizadas e entre elas 257 estavam equivocadas. No âmbito destes processos, 32 réus foram condenados à pena de morte, dos quais 14 foram executados ou morreram na prisão. O trabalho esta sendo realizado pela Associação Nacional de Advogados de Defesa Criminal, desde 2012 depois que o “Washington Post” noticiou que análises equivocadas poderiam estar condenando centenas de inocentes desde os anos 70, principalmente em processos de assassinato, estupro e outros crimes violentos nos EUA.

Rodovia será concluída

                   O Governo do estado garantiu que vai concluir, em um prazo de 90 dias, o trecho que falta da Rodovia Al-105, que liga a parte alta de Maceió, á Rodovia AL-405 em São Luiz do Quitunde. No total a rodovia tem 28 quilômetros e é muito importante para o turismo local, uma vez que reduziria em 32 quilômetros a distância do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares á região Norte do Estado, mais precisamente a destinos como Maragogi, Japaratinga, São Miguel dos Milagres e outras praias de grande apelo turístico. A obra esta orçada em R$ 40 milhões.

 

 

  • Uma lista elaborada pelo jornal “Sunday Times” apontou o ex-Beatle Paul McCartney (72) como o músico mais rico do Reino Unido, com uma fortuna acima de 1 bilhão de euros.
  • A lista relaciona os 40 que mais ganharam dinheiro com a musica e será publicada integralmente neste Domingo. Segundo uma compilação antecipada, o segundo lugar é do compositor e produtos Andrew Lloyd-Weber com um patrimônio de 910 milhões de euros.
  • Depois aparece o grupo irlandês U2, com uma fortuna conjunta de 602 milhões de euros, e o cantor Elton John, cujos ativos, excetuando contas bancárias que o jornal não teve acesso, chegam a 378 milhões de euros.
  • Em quinto lugar aparece o vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger com 315 milhões de euros, seguido do guitarrista Keith Richards, do dançarino irlandês Michael Flatley, Ringo Starr, Sting e na décima posição, Roger Waters do Pink Floyd.
  • Em seguida estão Eric Clapton, o galês Tom Jones e Rod Stewart, David Bowie e Robin Williams em 15º lugar.
  • Aparecem ainda George Michael (21º), Jimmy Page (23º), Noel e Liam Gallagher (28º), Mark Knopfler, do Dire Straits (30º) e em último lugar os membros do Coldplay, liderados por Chris Martin com uma fortuna pessoal avaliada em 72,8 milhões de euros.