Flávio Gomes

11 de Abril de 2015

Reinar, mas não governar

Do jornalista, professor e consultor Gaudêncio Torquato: “… Quem não se lembra de Fernando Collor de Mello? Sem capital político, foi empurrado para fora da Presidência da República por um impeachment. De lá para cá, as coisas mudaram. Os presidentes trataram de azeitar a máquina da articulação política. Com exceção da presidente Dilma Rousseff, que não convive bem com a esfera política. Uma questão de índole. Por isso mesmo, o Executivo começa a colecionar derrotas, uma atrás da outra. E não adiantará, a essa altura, tentar melhorar suas condições junto ao Congresso, eis que a administração atravessa um ciclo de má avaliação. Mais de 65% desaprovam o governo. O fato é que o chamado presidencialismo de coalizão tem base movediça e gera instabilidade. O relacionamento do Executivo com os partidos é frágil. Trata-se de um contato ortodoxo, unilateral, sem reciprocidade. O maior partido da base, o PMDB, põe o dedo na ferida quando insiste em dizer: ser governo é uma coisa, estar no governo é outra. A diferença entre ser e estar conduz aos fundamentos do “presidencialismo de coalizão”, ancorados em três pressupostos: a constituição pelos partidos de uma aliança eleitoral e sua união em torno de um programa mínimo; a formação do governo, a partir do preenchimento de cargos e compromissos com a plataforma política; e a transformação da aliança inicial em coalizão governativa.”

Honraria

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, receberá, em 22 de maio, o título de Cidadão Honorário de Maceió, proposto pelo vereador Kelmann Vieira, presidente da Câmara Municipal, e aprovado por unanimidade. Nascido no Rio de Janeiro, mas integrante de tradicional família alagoana, o ministro já é Cidadão Honorário de Alagoas.

Fazer…

No fechamento dos primeiros 100 dias de gestão, o governador não tem muito a dizer em relação aos servidores estaduais. No quadro efetivo há muitos completando o tempo de aposentadoria, incluindo os excluídos das carreiras organizadas, bastante desmotivados. O grupo se completa com comissionados e discutíeis terceirizados.

…o quê?

Com a Lei de Responsabilidade Fiscal, não há o que prometer, em termos de reajuste salarial e melhoria do quadro, via concurso público. Isso implica no que talvez seja o maior problema de Renanzinho: sem um corpo administrativo eficiente e satisfeito nenhum gestor público, por melhor que seja, consegue realizar algo produtivo.

Alerta

Sobre o tema, vale lembrar ao prefeito Rui Palmeira: por mais razão que ele possa ter, confronto com servidores significa perda de prestígio político. Há vários exemplos, em Alagoas e no Brasil. Um dos mais marcantes é o da gestão do presidente FHC, que acabou rotulando o PSDB como partido que não gosta de servidor público.

Aprovação

O ponto alto da gestão Renan Filho é a Defesa Social. É incrível como em pouco tempo e sem nenhuma proposta mirabolante os indicadores nessa área sejam bem positivos. Mais do que números, há sensação de mais segurança. É o que se fala, em todas as áreas sociais. Ponto, especialmente, para o secretário Alfredo Gaspar de Mendonça Neto.

Boa nova

A continuidade da duplicação da AL-101 Sul, no trecho Trevo do Gunga/BR-101, encaminhada no governo passado e tocada pela gestão atual, possibilitará a ligação rodoviária Maceió/Salvador totalmente em pista dupla. O que resultará num ganho considerável para a atividade comercial e, também, num incentivo ao movimento de turistas.

Tiro único

Danilo Forte, deputado federal do PMDB-CE, sobre a designação de Michel Temer para coordenar as ações políticas da presidente Dilma Rousseff: “Foi a bala de prata. Não temos como negar a capacidade de fazer articulação política de uma pessoa eleita três vezes presidente da Câmara e que chegou a vice-presidente. Resta saber se ele terá autonomia para fazer essa tarefa. Se o tiver, tira o país da instabilidade e estagnação que se encontra.”

 

*Duas boas atrações hoje nas rádios: 11 horas, na Educativa FM, o programa “MPB em foco”, com sucessos de todos os tempos da música brasileira; das 14 às 16 horas, na Difusora AM, “Retrospectiva Aplauso”, com músicas de Ângela Maria e Elizeth Cardoso.

* O Maceió Shopping é parceiro da Secretaria Municipal de Saúde na realização da campanha de vacinação contra o o Papilomavírus Humano, o HPV. O último dia é hoje, com atendimento das 10 às 20 horas.  A estimativa é de que 22 mil meninas de 9 a 11 anos sejam vacinadas.

*Hoje (21 horas) e amanhã (20 horas), o Teatro Gustavo Leite, do Centro de Convenções de Maceió, recebe o espetáculo “Rita Lee Mora ao Lado”, adaptação da biografia da cantora, do escritor Henrique Bartsch. Mel Lisboa interpreta Rita Lee. Informações: 3032.5210.

* A Casa do Penedo, um dos principais atrativos culturais da cidade de Penedo, será reaberta hoje, após um período de reforma. Com 23 anos de funcionamento, seu acervo tem 60 mil livros. A festa de reabertura é às 20h30m. Contato: 3551.6938.

*Acontece hoje, a partir das 9h da manhã, a II Feira de Pães Caseiros, na Praça Multieventos, orla de Pajuçara. O evento integra a formatura da segunda turma do curso profissionalizante oferecido pela ONG O Consolador e terá demonstrações de 25 mulheres empreendedoras.

*Uma equipe do programa “Arte que Faz”, da Rede CNT de TV, encerra hoje a produção de matéria em diversos municípios de Alagoas, sobre o artesanato no Estado. A equipe é acompanhada de quatro lojistas de São Paulo, que vieram conhecer nossos produtos.

*O ASA, equipe de melhor desempenho no Campeonato Alagoano, enfrenta hoje o Coruripe, em Arapiraca, com chances de disparar na liderança do seu grupo na competição. Há outros jogos programados para amanhã e também na próxima 2ª feira.

 

“A presidente Dilma parece contentar-se em virar um retrato na parede”

Sandro Vaia

Jornalista, sobre o fato de Dilma Rouseff ter entregue o governo a um neoliberal na economia e a um pragmático “mordomo” na política, além de hostilizada por sua própria base no Parlamento.