8 de Abril de 2015

Sus.

 

Fiz concurso para o antigo INAMPS na década de setenta. Foi o último concurso federal. Iniciei atendimento no antigo Edifício Breda. Parecia um formigueiro de tanta gente subindo as escadas, pois os elevadores não davam conta do recado.

Pois é. Nós médicos podíamos utilizar todos os recursos da medicina da época para tratar os segurados do INAMPS, hoje SUS. Idos dos anos oitenta. Fazíamos questão de trabalhar para o governo federal não só como médico concursado, como também médico credenciado. Na época utilizávamos os chamados tetos. Trabalhávamos dois ou dois tetos e meio os mais antigos.

Plantão no Pronto Socorro que pertencia à Prefeitura de Maceió (onde hoje funciona o plantão de 24hs da Santa Casa). Do outro lado, na Pedro Monteiro, funcionava o SAMU, urgência da Previdência Social.

Tudo funcionava bem! Aí veio o SUS. Sistema Único de Saúde! De saúde ou de doença? As verbas federais passaram a ser envidas aos estados e municípios. As coisas não param de piorar. Cada semana, mês ou ano que passa ninguém quer trabalhar como médico para as instituições citadas.

Os pacientes não conseguem consulta medica, não são operados e os serviços de urgência e emergência não funcionam.

Todos os dirigentes elogiam a estrutura teórica do SUS, porém na prática a teoria é outra.

 

Vejam abaixo como os dirigentes pagam os serviços médicos.

Valores de fevereiro de 2015

 

Radiografia de tórax PA e perfil – R$9,50

 

Radiografia de abdômen simples em AP – R$7,17

 

Ultrassonografia do abdômen total – R$37,95

 

Colposcopia – exame para detectar CA de colo de útero – R$3,38

 

Eletroencefalograma com mapeamento – R$25,00

 

Consulta médica especializada – R$10,00

Fonte: Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS.