Flávio Gomes

29 de Março de 2015

Realidade que dói

De Hubert Alquéres, professor: “O governo Dilma Rousseff faz cortes violentos no orçamento, desmonta programas sociais como o Fies e despreza promessas de campanha. A maior empresa do país, a Petrobras, passa pela crise mais aguda desde que nasceu em 3 de outubro de 1953 e, em efeito cascata, vai quebrar diversas empresas. A inflação foge do controle, o dólar explode e a política de juros castiga o país. A economia encolhe e os empresários demitem. Ainda assim, a presidente insiste em afirmar que a ‘crise é passageira’, produto da conjuntura internacional, a qual ela responsabiliza por toda a desorganização em que o país está metido. Mais um discurso maniqueísta, que mostra Dilma como sempre obstinada em dividir a nação entre ‘bons’ e ‘maus’ brasileiros, esses últimos uma ‘minoria que torce para o Brasil não dar certo’. Repisa-se o conceito do ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ que nunca pegou bem na época da ditadura, quanto mais no Estado de Direito de hoje. Esta é uma crise tipo chuvas de verão, que passam logo, como nos quer fazer crer a presidente? É óbvio que não… A crise econômica não é de curta duração, não se vislumbra o fim do túnel. É de profunda dimensão. Talvez a maior dos últimos 50 anos. A realidade pode chocar, mas a verdade tem que ser dita. Sem reconhecê-la, não se irá a lugar algum…”

Avaliação

Na semana que se inicia Renan Filho completa seus 100 dias de governador. É comum, nesse momento, o gestor fazer um balanço da sua atuação. No caso dele, pouco tem a comemorar. Desperdiçou três meses, entre a eleição e a posse, para montar equipe e elaborar projetos e não se sabe, agora, quais são as linhas mestras do governo.

Prioridade?

Durante a campanha foi dito e repetido que a prioridade absoluta de Renan Filho seria a Educação. Inclusive nessa área nada há a festejar. Pelo contrário, não se sabe de nada de concreto sobre como resolver o caos herdado de gestões passadas. Duas ideias surgidas, a municipalização de escolas em tempo integral e o passe livre, foram frustrantes.

Comparação

Leitor desta Conjuntura, o advogado e jornalista Márcio Guedes transmite, com pedido de divulgação, seu sentimento em relação aos três primeiros meses da gestão de Renan Filho: “Com muitos órgãos sem comando, cargos de direção desocupados e sem uma proposta concreta de gestão, está parecendo mais fim de governo”.

Como antigamente

As manifestações do senador Renan Calheiros nos últimos dias, de confronto com o governo federal, remetem aos tempos de deputado estadual, na década de 1970, quando iniciou sua carreira política. Certa feita Renan fez discurso tão pesado na Assembleia Legislativa, durante solenidade, que várias autoridades convidadas se retiraram.

Articulado

Em primeiro mandato, o deputado federal Pedro Vilela (PSDB-AL) vem conseguindo abrir bons espaços políticos em Brasília. Integrante de três comissões, vice-presidente de uma delas (Minas e Energia), é também vice-líder do seu partido na Câmara dos Deputados. E é sempre cumprimentado pelo avô famoso e saudoso, Teotônio Vilela.

Bom começo

Arnóbio Cavalcante começou com o pé direito sua gestão na presidência da Algás. Poucos dias após a posse, a empresa recebeu, 4ª feira última, dois troféus Gestão CDL do II Prêmio Petrobras de Reconhecimento às Companhias Distribuidoras Locais de Gás Natural pela Excelência em Gestão. Outra demonstração de eficiência da Algás.

Opinião

O líder da oposição na Câmara dos Deputados, Bruno Araújo (PSDB-PE), criticou o comando do governo pela crise atual do país: “É o resultado da falta de liderança. Da falta de respeito entre líder e de liderado. Da falta de sintonia entre uma presidenta eleita de uma forma absolutamente artificial em relação ao que dizia e ao que diz.”

 

*A partir de amanhã, por determinação do presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Sebastião Costa Filho, o protocolo da instituição passa a funcionar na nova sede, na rua Aristeu de Andrade, Farol (vizinho ao prédio da TV Gazeta).

* A Secom da Prefeitura de Maceió coordena a transmissão, amanhã, em tempo real, da segunda audiência pública para a licitação do transporte coletivo por ônibus de Maceió. Quem quiser acompanhar deve acessar www.maceio.al.gov.br.

*O programa “Aplauso” de hoje, na Educativa FM, vai abordar a carreira da cantora e compositora Sandra de Sá, carioca do bairro de Pilares, flamenguista e um dos bons nomes da MPB. Das 10 horas ao meio-dia, com produção de Givaldo Kleber.

*O Conselho Regional de Administração promove amanhã, às 19 horas, no Maceió Atlantic Suítes, mesa redonda para discutir o papel da mulher administradora. O tema posto é “Desafios da mulher administradora nos dias atuais”.

*Os escultores alagoanos Fredy Correia e Cida Vieira doaram obras suas para o acervo da Diretoria de Teatros de Alagoas. Agora as obras integram o acervo do Complexo Cultural Teatro Deodoro, onde ficarão expostas, nos intervalos das exposições.

*O Centro de Referência Esportiva de Alagoas será lançado, nos dois polos de atuação do projeto, da ONG O Consolador – Casa dos Amarelinhos. Em Maceió, amanhã, 9 horas, na sede do Polo I; no Pilar, no Polo II, depois de amanhã, também às 9 horas.

* Quatro jogos hoje, pelo returno do Campeonato Alagoano, todos às 16 horas: CSA x Murici (Maceió), Coruripe x ASA (Coruripe), CEO xSanta Rita (Olho D’Água das Flores) e Ipanema x CSE (Santana do Ipanema). O CRB folga.

 

“A presidente Dilma vai deixar o cargo, por vontade própria ou não. O PSDB dá apoio total, e vai estar presente, tantas vezes a população for às ruas.” 

Carlos Sampaio

Líder do PSDB na Câmara dos Deputados